Quatro secretárias municipais de Educação de nossa região concederam audiência ao Sinsep, seguindo os protocolos de distanciamento e as medidas sanitárias, para tratar dos problemas e temores dos profissionais da rede municipal de ensino, em decorrência do retorno das aulas presenciais. O pedido de audiência, feito pelo Sindicato através de ofícios, foi um dos encaminhamentos da Assembleia virtual realizada no dia 22 de fevereiro, quando os servidores relataram dificuldades em seguir os protocolos de distanciamento e no uso de equipamentos para preparação das aulas, falta de profissionais de limpeza e de insumos exigidos pelos protocolos sanitários, além de sobrecarga de trabalho e do acúmulo de atividades e devolutivas, entre outros. Apenas em Jaraguá do Sul ainda não aconteceu o encontro, mas a Secretaria de Educação suspendeu a contratação dos tutores e instituiu adicional financeiro de 20% a título de horas excedentes, assunto que o Sinsep vai debater com a categoria, na semana que vem.

“Percebemos das secretárias bastante respeito às reivindicações que visam minimizar os riscos de contágio da Covid-19 entre os professores e demais profissionais do Magistério e também os impactos psicológicos que a insegurança e o medo do trabalho presencial em meio à pandemia vem trazendo”, afirma o presidente do Sinsep, Luiz Cezar Schorner. “Elas se comprometeram a cuidar dos profissionais de Educação e das crianças e de manter um canal de negociação com o Sindicato”, complementa. Entre as soluções encontradas pelas secretarias estão a aquisição de computadores, melhorias no acesso à internet, cumprimento das medidas sanitárias e respeito à legislação referente à hora atividade.

As audiências aconteceram no período da manhã, no dia 2 de março, em Massaranduba, com a secretária Diva Spezia Ranghetti; 8 de março, em Corupá, com a secretária Clarice Judacefsky; 9 de março, em Schroeder, com Armelinda Walz Schmitt; e no dia 10 de março, em Guaramirim, com a secretária Cláudia Chiodini. “O Sindicato permanece atento e à disposição de qualquer demanda dos profissionais da Educação e demais servidores, tanto em relação às aulas presenciais, como nas questões referentes às condições de trabalho”, reforça Luiz Schorner.