Reajustes nos valores do Plano, já aprovados no Conselho de Administração do ISSEM, impactam os servidores com menor salário

O Sinsep protocolou ontem (4), junto ao gabinete do presidente do ISSEM, Márcio Erdmann, ofício (Nova forma de custeio do Issem Saúde) solicitando o agendamento urgente de uma reunião para tratar sobre os impactos à categoria, caso as mudanças na forma de custeio do ISSEM Saúde, já aprovadas pelo Conselho de Administração – Resolução n° 007/2021, de 28 de julho de 2021 – sejam efetivamente promovidas e continuadas. Utilizando como ponto de partida o simulador de mensalidade do ISSEM Saúde, que está no portal do Instituto, o Sinsep constatou que os novos valores irão onerar muito os servidores que recebem os menores salários e aqueles que possuem dependentes. A Resolução ainda precisa ser encaminhada, analisada e votada pela Câmara de Vereadores.
As alterações no plano de custeio do Fundo, com a adoção de mensalidade por faixa etária, resultam em reajustes nos valores que inviabilizam a permanência dos assegurados no ISSEM Saúde. “O que nos parece é que a simples numerologia e estatística ignoram a importância dos servidores para o ISSEM. Nossa preocupação e constatação é de que, mantendo-se estes reajustes no ISSEM Saúde, no breve futuro, ocorra uma debandada de segurados do Plano, já que a adesão ao sistema é opcional, desde 2018”, diz o teor do ofício protocolado pelo Sinsep, destacando, ainda, que “recentemente houve a alteração na forma de custeio do ISSEM Previdência, gerando tarifa maior de contribuição aos segurados, passando de 2% para 3%, mais 1% para cada dependente. Veja, aqui, o simulador de mensalidade do ISSEM Saúde:
http://issem.com.br/news/simulador-de-mensalidade-do-issem-sa-de