Categoria realizou Assembleia da Campanha Salarial no dia 23

Os servidores municipais de Jaraguá do Sul reivindicam 13,5% de reajuste salarial, referentes aos 14 meses de inflação acumulada entre 1º de fevereiro de 2021 e 31 de março de 2022, mais ganho real de 3%; um abono salarial de 22,49%, referentes ao resíduo da inflação não repassada no ano passado (na ocasião, os servidores receberam 7,42% de reajuste e o então secretário Argos Burgaardt assegurou o repasse de 1,8% em junho, para zerar a inflação do período, o que não aconteceu). A categoria reivindica ainda a reposição integral das perdas salariais acumuladas pela categoria, de abril de 2016 a dezembro de 2021, de 10,75%. Estas foram decisões tiradas da Assembleia Geral dos servidores jaraguaenses, realizada no início da noite de ontem (23), no auditório do STIVestuário.

Além das reivindicações salariais, os servidores querem o reajuste do auxílio alimentação – congelado há quase oito anos – de R$ 21,00 para R$ 27,00 por dia trabalhado (aproximadamente R$ 600,00 mensais), e que o direito ao benefício seja estendido a toda a categoria, acabando com o atual escalonamento salarial que, para o cálculo da remuneração do servidor, incide inclusive sobre as horas extras por ele praticadas – há casos de servidores que estão “pagando para trabalhar”. Ou, ainda, que a Administração retire as horas extras do cálculo da remuneração, para que servidores que realizam horas extras não percam o direito ao auxílio alimentação.

Estão incluídos na pauta de reivindicações, também, a implementação do novo Piso Nacional do Magistério na carreira dos professores, retroativo a 1º de janeiro de 2022 (Lei federal 11.738/2008 e Portaria do MEC nº 67, de 4 de fevereiro de 2022). Até o mês de abril de 2022, restarão ainda 4,45% para se chegar ao valor atual do PNM, de R$ 3.845,34; revisão do Estatuto e do Plano de Carreira do Magistério Municipal de Jaraguá do Sul; e a revisão do Plano de Cargos e Salários dos servidores, priorizando os servidores que recebem os menores salários.

O presidente do Sinsep, Luiz Cezar Schorner, conduziu a Assembleia e lembrou da redução de direitos sofrida pelos servidores, desde o início da pandemia do novo coronavírus, como o congelamento de triênios e licença prêmios, e que duraram 19 meses. O Sindicato, inclusive, já realiza negociações prévias com a administração municipal(foto abaixo), de modo a garantir o atendimento das reivindicações da categoria. “A reposição salarial é uma necessidade”, disse Luiz, citando posicionamento mencionado pelos próprios representantes do governo. “Vamos encaminhar a pauta de reivindicações e aguardar a audiência, com o firme propósito de resgatar a inflação dos últimos 14 meses e com aumento real de salários para toda a categoria, e a tão necessária, justa e aguardada valorização dos profissionais da educação”, adianta o presidente do Sinsep.

Reunião realizada com a Administração Municipal em 23 de fevereiro de 2022.