Prefeito Luiz Carlos Tamanini quer parcelar os 20,18%
em duas vezes, março e agosto de 2022

Os servidores municipais de Corupá reivindicam que a administração Luiz Carlos Tamanini pague de uma só vez as perdas salariais acumuladas pela categoria. A decisão foi tomada durante Assembleia Geral promovida pelo Sinsep, no dia 16 de março de 2022, no Salão Paroquial da Igreja São José. O Projeto de Lei encaminhado pelo prefeito à Câmara de Vereadores praticamente contempla a inflação dos últimos três anos, no entanto, prevê o parcelamento dos 20,18% em duas vezes, sendo de 13,5% em março de 2022 e de 6,68% em agosto de 2022.

O Sinsep já encaminhou ofícios ao prefeito(Veja aqui)  e à Câmara de Vereadores(Veja aqui), neste sentido. “É de se ressaltar que os aumentos constantes nos preços dos combustíveis impactam nos preços dos gêneros de primeira necessidade (alimentos, gás de cozinha, etc.), e os servidores não podem esperar para reaver o poder de compra dos seus salários defasados”, diz o teor do documento. Os servidores também reivindicam que o Projeto de Lei inclua o aumento imediato no valor mensal do Auxílio Refeição, congelado desde 2019, dos atuais R$ 410,00 para R$ 600,00.

Magistério

Já em relação aos professores, o Sinsep reivindica que a administração Tamanini priorize, neste momento, a Revisão Geral Anual de salários, retirando do Projeto de Lei encaminhado à Câmara de Vereadores qualquer menção sobre os demais pontos que modificam a Lei nº 1.193, de 5 de março de 1999. E que se abra um canal de negociação com os profissionais do Magistério e o Sindicato. Além disso, que seja mantida a Regência de Classe para todos os professores, já que, para cumprir a Lei do Piso Nacional do Magistério, o prefeito decidiu retirar esta gratificação. “É como se os professores tenham que pagar para receber o Piso que é de direito”, exemplifica o presidente do Sinsep, Luiz Cezar Schorner.

No ofício encaminhado ao prefeito Luiz Tamanini(Clique aqui), ao presidente da Câmara Benjamin Tamanini(Clique aqui) e à Secretaria de Educação de Corupá(Clique aqui), o Sinsep pede ainda que seja estabelecida em Lei a diferença salarial de 15% entre o professor de Nível 1 (Habilitação em Magistério) e de Nível 2 (com Licenciatura Plena). E que o município, efetivamente, institua o Piso Nacional do Magistério para o professor de Nível 1, conforme a Lei 11.738/2008, no valor de R$ 3.845,34, respeitando as diferenças em relação aos demais níveis de formação profissional, quais sejam: de 15% entre o professor de Nível 1 (Magistério) e 2 (Licenciatura Plena); de 20% entre o professor de Nível 3 (Pós-graduação) e 2 (Licenciatura Plena); de 10% entre o professor de Nível 4 (Mestrado) e 3 (Pós-graduação); e de 10% entre o professor de Nível 5 (Doutorado) e 4 (Mestrado). A Assembleia de ontem também contou com a presença dos Vereadores Alfredo Gramm Sobrinho e  Loacir Campregher.