Em Assembleia Extraordinária realizada de forma online nesta quinta (4/2) os servidores públicos municipais de Jaraguá do Sul, Guaramirim, Schroeder, Corupá e Massaranduba debateram sobre as condições de retorno às aulas presenciais em meio a pandemia.

Antes da assembleia o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Jaraguá do Sul e região – SINSEP, realizou uma pesquisa com os profissionais da educação para saber a opinião da categoria sobre o retorno das aulas e o protocolo. Foram 195 respostas em que 85,6% dos que responderam, disseram que não concordam com o retorno das atividades presenciais.

A preocupação dos trabalhadores e trabalhadoras na educação é sobre o risco de contágio da Covid-19, visto que a região registra um número alto de casos positivos e superlotação nos hospitais. Somente em Jaraguá do Sul, são mais de 15 mil casos confirmados, sendo mais de 600 que ainda estão ativos. Sem perspectivas de vacinação, os trabalhadores e trabalhadoras temem pela sua saúde, de seus alunos, colegas e familiares.

Mesmo que 77,9% das pessoas que responderam à pesquisa do SINSEP tenham tomado conhecimento dos Planos de Contingência, 74,4% dos profissionais dizem não se sentirem seguros com as medidas dos planos. Até porque mesmo que tenham sido divulgados pelas prefeituras, eles ainda não foram experimentados em outras cidades. Assim sendo, os profissionais da educação vão testar protocolos que só estão no papel e ignoram questões importantes, como a falta de controle no distanciamento social com crianças pequenas e dúvidas de como fazer a higienização e alimentação das crianças menores.

Além do alto risco de contágio, diante da metodologia de trabalho apresentada a grande preocupação da categoria é com a sobrecarga dos trabalhadores e trabalhadoras da educação. Depois do ano de 2020 que desafiou muitos profissionais a se reinventarem para dar conta das aulas online, agora o desafio é conciliar as aulas presenciais e as virtuais. Sendo que a maior parte dos professores, por exemplo, terão que administrar duas turmas presenciais que estarão alternadamente em sala de aula, e uma terceira composta pelos estudantes que os pais optaram pelo não retorno ao ensino presencial. O que obrigará ao exercício de jornadas extenuantes, acima das suas jornadas regulares.

Durante a assembleia diversos relatos dos profissionais já escancaram o reflexo na saúde física e mental destes trabalhadores. A respeito desta jornada extra de trabalho, a qual já se reconhece como dupla jornada, os profissionais afirmam que têm questionado os representantes das Secretarias de Educação presentes nos educandários e nas atividades de formação, mas não têm encontrado espaço para diálogo.

Diante deste cenário, que é ainda mais carregado pela falta de apoio e suporte tecnológico para a realização das atividades, os servidores presentes à assembleia de forma unanime, e contando com o apoio de 86,2% daqueles que responderam à pesquisa do SINSEP, deliberaram para que o Sindicato requeira o adiamento do retorno das aulas presenciais em uma semana, tempo em que se pretende ampliar o debate visando aperfeiçoar e qualificar a metodologia e os planos, bem como garantir a chegada de outros profissionais que serão tutores das turmas online.

Uma nova assembleia virtual foi agendada para as próximas semanas, onde será realizada uma avaliação dos encaminhamentos e da situação dos trabalhadores e trabalhadoras da educação de todos os municípios da base do Sinsep.

—-

Em resposta ao ofício encaminhado pelo Sinsep na manhã de hoje (05/02), a secretária de educação de Jaraguá do Sul encaminhou o ofício 042/2021 negando o pleito da categoria, e desta forma mantendo o início do ano letivo para a próxima segunda-feira.