O Sinsep enaltece a Câmara de Vereadores pela rejeição dos vetos do prefeito Antídio Lunelli às emendas à Lei Complementar 217/2018, que altera o Instituto de Seguridade dos Servidores Municipais, o ISSEM. Decisão foi tomada na sessão do dia 16 de outubro e não resta dúvidas de que a mobilização surtiu efeito. Desde que tomou conhecimento sobre o teor da nova Lei do ISSEM, o Sinsep exigiu amplo debate, antes da aprovação de qualquer mudança que afete a vida dos servidores e servidoras. Ofícios enviados aos vereadores e à presidência do Instituto e uma série de reuniões são exemplos dessa mobilização, que culminou na Audiência Pública do dia 18 de julho, solicitada pelo vereador Arlindo Rincos. Votaram contra os vetos do prefeito e a favor dos servidores e servidoras os vereadores Alessandro Rosá, Arlindo Rincos, Celestino Klinkoski , Isair Moser, Jackson José de Ávila e Ronaldo Magal. Foram favoráveis ao veto os vereadores Eugênio José Juraszek, Jaime Negherbon e Pedro Garcia.

Antídio Lunelli havia vetado a Emenda Modificativa nº 4 e as Emendas Aditivas nºs 5 e 6, justamente aquelas oriundas de sugestões do Sinsep e apresentadas pelo vereador Arlindo Rincos durante a Audiência Pública. Além delas, o Sinsep insistiu na eleição direta para Presidente do ISSEM, mas o pedido não foi acatado pela maioria dos vereadores. A Emenda Modificativa nº 4 altera o inciso II e insere §5º do Art. 180, garantindo que, no caso de exclusão do serviço de farmácia popular, o corte do benefício seja feito de forma escalonada, com o máximo de 5% por parcela e no prazo não inferior a seis meses. Já a Emenda Aditiva nº 5, insere § 6º ao artigo 180 e mantém o desconto de 25% aos servidores(as) e dependentes, para os casos de alta complexidade. Por fim, o prefeito havia vetado a Emenda Aditiva nº 6, que insere § 7º no Artigo 180, possibilitando ao ISSEM buscar convênios com instituições privadas para que os servidores e dependentes adquiriram medicamentos com descontos.