A greve dos servidores jaraguaenses completou quatro semanas sem atendimento às reivindicações da categoria pelo prefeito Antídio Lunelli.

Os meios de comunicação locais divulgam com ênfase as opiniões do Procurador-Geral do Município, Benedito Noronha, criticando o movimento que, todos sabemos, é unicamente pela garantia de direitos e pela melhoria do Serviço Público Municipal.

Em entrevista, o presidente do Sinsep, Luiz Cezar Schorner, comenta a situação e esclarece os fatos. Para ele, a decisão da Justiça é contraditória e não respeita o direito constitucional de greve.

O principal motivo da greve é a falta de negociação. Schorner explica como o prefeito agiu no envio dos projetos.

Se a situação dependesse só da vontade dos servidores, a greve já teria sido encerrada há dias. O Sindicato busca negociação desde o anúncio dos projetos.

Sobre a acusação de que movimentos externos teriam influência na paralisação, o presidente destacou que o Comando de Greve é formado por servidores e que o apoio de outras entidades se dá justamente pelo claro ataque aos direitos da categoria.

O futuro da greve será legitimamente decidido pelos próprios servidores, como todas as ações tomadas até o momento. O Sindicato representa e organiza a categoria, mas as decisões são dos servidores.