A Sindicado dos Servidores Públicos de Jaraguá do Sul informa que aguarda com expectativa que a administração Antídio Lunelli comece a governar efetivamente o município e negocie a construção de um acordo que ponha fim à greve, que já dura mais de duas semanas. O Comunicado oficial da Prefeitura, publicado nos órgãos de comunicação e nas redes sociais neste final de semana, não convence ninguém.

Estamos prontos para voltar ao trabalho, mas também estamos preparados para continuar a greve, dizendo que, mesmo com liminar, os mais de 70% de servidores públicos decidiram em assembleia manter a greve e continuar lutando contra a “retirada de direitos”. O Prefeito é o maior responsável pela continuidade da greve. Lamentavelmente, a administração não demonstra a intenção de abrir canal de negociação. Esperamos ainda, a compreensão e o respeito dos munícipes aos servidores que aderiram à paralisação, ressaltando que esta luta não se trata somente dos servidores não perderem remuneração, mas é por um serviço público de qualidade, é pelo não sucateamento da educação, da saúde, do social, da cultura, entre outros.

Nossa greve é legal. Infelizmente o Prefeito judicializou a greve e obteve a sua ilegalidade. Isso tem o objetivo de intimidar as próximas ações do movimento e punir os servidores. Por isso, a assessoria jurídica do Sinsep está tomando as medidas possíveis para assegurar a legalidade da greve junto ao Tribunal de Justiça de SC. E exigir que o prefeito negocie, mediante a intermediação do Ministério Público do Trabalho e do próprio Tribunal.

Atacar os direitos e reduzir os salários de toda a categoria, este foi o caminho tomado pelo prefeito Antídio Lunelli. Ao invés de dialogar com os servidores e buscar encontrar juntos outra solução para o momento de “crise” econômica.

Queremos garantir nossos direitos, mas queremos um serviço público de qualidade para a população jaraguaense. A greve dos servidores municipais caminha para a terceira semana. Quando o servidor perde, a população perde junto!

Diante do comunicado da administração, o Sinsep esclarece acerca de como se procederão as negociações:

1 – O que dará o fim da greve?

A retirada do “pacote de maldades” da Câmara e mesa de negociação para reposição de aulas e de horas/dias para “todos” os servidores.

2 – Todos os dias paralisados em função da greve poderão ser negociados e recuperados com o acordo de greve?
Sim. A negociação dos dias parados é um dos pontos de pauta de acordo de greve.

3 – Há garantia que o PLC da redução do triênio e o fim da progressão funcional não volte à Câmara de Vereadores?

Não. O secretário de administração Sr. Argos deixou isso bem claro na última reunião.  A Lei Orgânica e o Regimento Interno da Câmara também permite a reapresentação dos projetos.

4  – Haverá retaliação em desfavor de quem aderiu ao movimento?

A greve é um direito constitucional. Qualquer forma de perseguição ou punição dos servidores por conta da adesão a greve deve ser denunciado ao sindicato para que sejam tomadas as medidas cabíveis, sejam elas administrativas ou judiciais.

O fim da greve depende de você Prefeito! Sem servidor a cidade pára!