tarja_ocorupaense_n97O Sindicato dos Servidores Municipais de Jaraguá do Sul e Região (Sinsep) apoia a manifestação dos professores da Rede de Educação de Corupá, conforme Carta Aberta abaixo.

 Carta aberta à Secretaria Municipal de
Educação de Corupá

Queremos demonstrar nosso repúdio e indignação diante da condução, por parte do então Secretário Municipal de Educação (entre junho de 2014 e maio de 2015), Sr. Joney Cícero Morozini, do processo de elaboração do Plano Municipal de Educação (PME), pois a Lei nº 13.005 (PNE), de 25/06/2014, prevê um ano, ou seja, de junho de 2014 a junho de 2015, para a elaboração conduzida pela Secretaria de Educação, aprovação pelos Vereadores e sanção pelo Prefeito do referido Plano. E, agora, em tão poucos dias, “jogam-nos” esta responsabilidade, a elaboração, pois os trabalhos do município iniciaram-se, de fato, apenas no dia 04 de maio de 2015 e, efetivamente, com os professores, no dia 20 de maio, com data máxima de aprovação no município para o dia 24 de junho de 2015!

O Plano Nacional de Educação (PNE) prevê um processo democrático, “com ampla participação de representantes da comunidade educacional e da sociedade civil”, corupaenses, no nosso caso.

Temos ciência que, para tal, são necessários tempo, pesquisa, estudo, análise, reflexão, produção de texto e um trabalho em conjunto, envolvendo todos os segmentos da sociedade, como pais, gestores públicos, docentes, entidades organizadas (ex.: Sindicato, ACIAC, Bombeiros, igrejas, sociedades culturais, filantrópicas, entre outras).

Este Plano Municipal de Educação conduzirá a educação em Corupá pelos próximos 10 (dez) anos. Assim, toda melhoraria da educação deverá estar prevista no Plano; caso contrário, não ocorrerão investimentos que garantam a qualidade da educação dos estudantes corupaenses. Isso é sério, muito sério.

Se o Plano não ficar bem feito, certamente um dia ouviremos: “foram vocês que elaboraram o Plano Municipal de Educação, estão reclamando do quê?” Assim como os vereadores serão cobrados pelo que aprovarem e o Prefeito pelo que sancionar.

Perante essa situação, perguntamos: “Por que somente agora nós fomos chamados a construir esta proposta?” “Os Vereadores terão tempo suficiente para analisar e contribuir com o Plano?” E o mais importante: “Se não houver tempo hábil para todo o processo, quem se responsabilizará pelas consequências, como recursos financeiros da União vetados para Corupá porque se perderam os prazos legais?”

Estamos trabalhando na elaboração do PME, mas, não podemos compactuar com essa situação, até porque somos nós que estamos diariamente com os alunos, que podem sofrer as consequências da falta de seriedade de Vossa Senhoria na condução desse processo.

Aprendemos, desde criança, que somos responsáveis pelos nossos atos. Portanto, onde fica a responsabilidade da Secretaria de Educação diante dessa situação? Gostaríamos de ver um pronunciamento do Secretário, ainda que esteja em outra secretaria, dirigida a todos os contribuintes, explicando por que, se Vossa Senhoria sabia desta responsabilidade desde junho do ano passado, só agora as equipes de trabalho foram organizadas para poderem começar a trabalhar? O que justifica tal atraso?

Estamos cansados do descaso com que estamos sendo tratados nesses últimos anos, parece que ninguém nos ouve, ninguém nos vê.

Partindo do pressuposto de que planejamento, organização, disciplina, comprometimento, respeito e seriedade devem fazer parte das qualidades e atitudes de todo gestor público, lamentamos profundamente por perceber que essas virtudes estão distantes da realidade em que vivemos.

Nós, Professores da Rede Municipal de Educação de Corupá, aguardamos sua manifestação.

Respeitosamente,

Professores da Rede Municipal de Educação de Corupá