“A qualidade do serviço público passa pela valorização do servidor”. Com esta ideia central o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Jaraguá do Sul e Região, professor Luiz Cezar Schorner, abriu oficialmente o Congresso da categoria (1º ConSinsep), na noite de ontem. A abertura contou com as presenças da presidente da Confetam (Confederação dos Trabalhadores Municipários da CUT), Vilani Oliveira, da diretora da Fetram (Federação dos Municipários da CUT/SC), Ieda Vargas, da secretária geral da CUT/SC, Ana Júlia, e de mais de 150 servidores da microrregião e dos municípios de Blumenau, Concórdia e Criciúma. A noite ainda teve encenação do Grupo de Teatro do Gats, cujo destaque foi a fabricação do pão, a necessidade da organização em equipe, da divisão de tarefas e de acrescentar o fermento na hora de preparar a massa. O 1º ConSinsep, que tem como tema “Organizar a luta e avançar nas conquistas”, prossegue hoje (7), no auditório do Sesi, em Jaraguá do Sul, com encerramento previsto para as 17h30min.

O presidente do Sinsep lembrou que o Congresso é um marco, porque traz para o debate temas que fazem parte do cotidiano da categoria. “Servidor tem dificuldade de se defender quando dizem que ele não trabalha, que tem muitos feriados no ano. Precisamos desmistificar esse senso comum”, conclamou Luiz Schorner, lembrando que a categoria “atende a camada mais necessitada da população, sendo responsável pelo bem estar da comunidade e que precisa ser valorizada por isso”. Ele fez questão de salientar importantes conquistas obtidas pelo Sindicato e que vão nesta direção, como “os planos de carreira do Magistério, os pisos salariais para os agentes comunitários de saúde e para o Magistério Nacional, os seis meses de licença maternidade para as servidoras da nossa região, 30 horas semanais para as assistentes sociais, além dos combates contra a terceirização e por mais concursos públicos”.

Crescimento da categoria

Representando os Sindicatos de Trabalhadores de Jaraguá do Sul e Região, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos, Silvino Volz, falou  sobre o crescimento da categoria do serviço público na microrregião, nos últimos 10 anos. “Já são mais de 5 mil servidores e 35% deles estão sindicalizados, porque apostam no fortalecimento do Sindicato”, disse Silvino. Na mesma linha de pensamento, a presidente da CUT, professora Ana Júlia, reforçou que “o Sindicato só é forte quando possui filiados” e elogiou a atuação do Sinsep perante a CUT: “Esse Congresso é muito importante porque os servidores vão discutir o Sindicato e os direitos da categoria, e é um evento formativo, também, porque vai debater a saúde do trabalhador e necessidade de organização sindical e política do servidor”. Ana Júlia lembrou ainda que, entre os dias 19 e 21 de agosto, a CUT/SC realiza seu 12º Congresso Estadual, em Florianópolis, e que um dos temas em debate será a valorização do serviço/servidor público. A representante da Fetram/SC, Ieda Vargas, reforçou que “as conquistas dos trabalhadores não são unitárias, mas coletivas”.

Congresso Nacional conservador

A presidente da Confetam, Vilani Oliveira, lembrou que, cada vez mais, é necessário que os Sindicatos “saiam das ações específicas nos seus municípios e partam para as lutas nacionais”, criticando a atual formação conservadora do Congresso Nacional, que tem imposto temas que criminalizam a juventude (redução da maioridade penal), impõem a terceirização sem limites (PLC 30 que tramita no Senado), retiram da Educação e Saúde os royalties do petróleo extraído do Pré-Sal (Projeto de Lei apresentado pelo senador José Serra, do PSDB). “É um Congresso que não tem coragem de pautar as demandas da sociedade, como políticas de inclusão para a juventude, os negros, as comunidades LGTB, e a implantação da reforma política que garanta o fim do financiamento privado de campanha eleitoral. Quem recebe apoio financeiro de empresários não terá compromisso com os trabalhadores, nunca”. denunciou.

Trabalhadores do mundo, uni-vos!

Palestrante da noite de abertura do 1º ConSinsep, a professora do Departamento de Psicologia da Furb, em Blumenau, Catarina de Fátima Gewehr, citou a frase do filósofo, historiador e revolucionário Karl Marx para lembrar da “necessidade dos trabalhadores se organizarem desde os seus locais de trabalho”. Catarina abordou o tema “Saúde do Servidor” que, na sua opinião, “está piorando porque o servidor tem que produzir mais com menos colegas no ambiente de trabalho”. A professora entende que existe uma precarização “sorrateira e disfarçada” das condições de trabalho no serviço público, em que corpo e psiquismo sofrem e adoecem: “Temos o direito de viver felizes, precisamos de tempo para sermos gente”, afirma, criticando o padrão de norma e controle sobre o trabalho existente no serviço público e na sociedade capitalista, como um todo.

“O capitalismo é uma coisa perversa, que não permite ao indivíduo se encontrar consigo próprio”, adverte a palestrante, enfatizando que a solução está “no estudo e conhecimento, a serviço da libertação da classe trabalhadora”. Catarina  Gewehr lembrou que quando as elites endurecem, a organização dos trabalhadores aumenta, e vice-e-versa: “Não dá para pararmos de lutar, somente lutando é que realizamos o mundo que queremos, um mundo solidário e socialista. E o Sindicato é a unidade que leva a classe trabalhadora a recompor esse mundo”, concluiu a palestrante. O ConSinsep prossegue na manhã de hoje (7), com a exposição do professor da Unicentro de Irati (PR), Ancelmo Schorner, fundador e primeiro presidente do Sinsep, que vai abordar “A Organização dos Trabalhadores no serviço Público e na Sociedade”, seguida de debate, tendo como painelista a presidente da Confetam, Vilani Oliveira. Logo após está prevista palestra sobre “O Papel do Estado e do Servidor Público na Sociedade”, a cargo do sociólogo e diretor técnico do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), Clemente Ganz Lúcio.

Por Sérgio Homrich (texto)/Informa Luta
Fotos Lucio Sassi